sexta-feira, 17 de outubro de 2008


Sábia Rita Lee que já dizia que amor é um e sexo é dois. Fico aqui pensando com meus botões porque é tão difícil encontrar um amor recíproco. Você conhece alguém maravilhoso que se apaixona por você e simplesmente seu coração resolve não bater mais rápido pelo dito cujo.
Neste caso o chatíssimo senso comum adoraria repetir que ¨mulher gosta de homem que dá o famoso chega pra lá ou até mesmo daquele que não presta¨. Isso não é verdade. Tenho que admitir que muitas mulheres são realmente assim, mas existe o segundo grupo, do qual me considero parte, que gosta de homens que enxergam e que nos dão o devido valor. Agora a questão é que o frio na barriga, a ansiedade de encontrar, aquele sentimento que nos ¨vuelve locos¨ é vivido só, lá dentro, e não será necessariamente correspondido. Admiro pessoas que conseguem sair de um relacionamento antes que ela própria ou o amigo colorido ou namorado pegue aquele tremendo bode da relação. É como ir embora de uma festa incrível as quatro da manha. Ir embora as duas deixaria aquela sensação do que podia ter sido e não foi. Mas também ir as sete ou oito, quando já está todo mundo bêbado, jogado e vomitado num canto é para matar. É a coragem? Quando a coisa é boa mesmo dá vontade de grudar os dois pezinhos no chão e gritar ¨daqui eu não saio, daqui ninguém me tira¨. Mas a verdade é que tira sim e acaba sendo da pior maneira. Afinal, algo pra valer realmente a pena tem que ter um valor parecido para as duas pessoas envolvidas. Se não, o barco fica sem contrapeso e afunda.
¨Eu escuto aquela música e me lembro de Afonso. Penso em nós dois juntos. Penso em tudo que vivemos, nas praias e cidades que conhecemos, nas possibilidades que ele trouxe para dentro da minha vida. Me incomoda o fato de saber que ele, nessa nova vida, também pensa em mim, mas com muito mais tranqüilidade. O coração dele não aperta de saudades como o meu. Impossível. Porque é difícil admitir, mas se sentíssemos a mesma coisa existiriam mais histórias, mesmo que o final fosse esse. Ou talvez ele simplesmente esteja nessa fase, uma fase chata de querer ser uma figura avulsa para ser colada em todos os álbum do mundo¨
Vidas de Candice, Margalida Casas

4 comentários:

Bombom disse...

pronto, blogs lincados, hehe

Pixo disse...

heheheh... Adoro virar abobora!!

Estou tambem no segundo grupo :)

A muito tempo atrás, nao eramos muito amigas, acredito que ainda na ESPM, chegamos a uma conclusao juntas que nunca vou esquecer... " NOS NAO GOSTAMOS DE QUEM NAO GOSTA DE NOS " :) lembra?

Modestia parte, temos muito sorte neste quesito :)

Flor de raposa disse...

thatá what i´m talking about: love

Juliana Dantas disse...

"Agora a questão é que o frio na barriga, a ansiedade de encontrar, aquele sentimento que nos ¨vuelve locos¨ é vivido só, lá dentro, e não será necessariamente correspondido." Que sábio isso.
E é verdade, né, Carol? (Suspiros...)
Bjs.