segunda-feira, 15 de setembro de 2008

delícias de Costa Brava


Não foi a toa que Dalí escolheu essa cidade para viver. Cadaqués. Aos pés dos Pirineus, ali, quase na França. É a parada final da chamada Costa Brava. Desde que cheguei aqui fui fazendo pouco a pouco o litoral norte espanhol. Cada vez que sobrava um tempinho lá íamos nós, uma praia por vez , sem pressa, mas sem deixar de subir mais e mais. Até que chegamos lá, tão linda, como eu imaginava.
O fantástico é imaginar que esta cadeia de montanhas impressionante separa a França da Espanha. Algo com esta força, só pode ter ajudado a que cada país ficasse do seu lado da cordilheira. Imagino aqueles batalhões na época medieval tentando atravessar essa imensidão que parece chegar ao céu. As tropas francesas escondidas, estas mesmas ajudando aos espanhóis a encurralar os catalães... que loucura. Nossa geografia teve tanta influência nas conquistas, nos povos que nasceram e desapareceram na história.
Dizem que é da província de Girona (a província ao lado de Barcelona, onde está Cadaqués) que vem o catalão mais puro. O sotaque é muito peculiar, mais aberto, na minha opinião um charme. A região é cheia de franceses, como acontece em toda a Catalunha, e com muita gente local, bem típico, uma preciosidade.
A noite de sábado estava iluminada por uma lua imensa e cheia. Ficamos ao lado da igreja admirando o mar, os barquinhos, o barulho gostoso das pessoas passando lá embaixo entre as casas e as pequenas ruas. E essa lua linda e grande que parecia estar tão perto de nós. A forma com que ela influencia o mar... e é claro que não poderia interferir menos em nossos corpos que também são água. É como se o sol, o dia, fosse para decidir o que fazer, e a lua, a noite, para pensar e refletir se o que estamos fazendo é o que realmente queremos. De noite os sentimentos afloram e tudo de mais primitivo e oculto parece sair, como a dama da noite que exala seu cheiro mágico pelo ar.
Nesta região é grande o número de praias nas quais se pode praticar o nudismo. Sempre tive uma admiração profunda pelos europeus e sua relação com o sexo. Algo desprovido de más intenções, natural, sem aquela obsessão brasileira pelo sexy todo o tempo. Parece que as pessoas são mais reais aqui em relação a esse tipo de coisa. Elas são sensuais na hora que tem que ser, sem passar todo o tempo na neurose, pensando na celulite, na estria, na barriguinha ou na depilação perfeita. Eles são mais humanos ou pelo menos parecem ter menos problema com o fato de sermos assim, cheios de imperfeições perfeitas que nos fazem únicos e tão parte do mundo e da natureza. É uma sensação de liberdade, de ser o que é. Isso não tem preço. Uma pena que em nossa cultura esteja tão enraizado essa malicia sem fim em tudo que fazemos. Poderíamos olhar as mulheres com mais realismo, seria tão mais fácil e bonito pra nós... quantas mentes neuróticas, operadas e traumatizadas iríamos salvar?
Deixei a Costa Brava com a sensação de fim de verão. Na entrada de Barcelona já se notava o amarelo das arvores e algumas folhas secas correndo pelas ruas. O sol era intenso, mas o vento fresco não escondia. É.. estamos nos últimos suspiros antes da próxima fase do vermelho, do marrom e do aconchego.

6 comentários:

disse...

o seu texto que mais gostei.
Ta lindo, como deve ser la
bjinhos

Marc disse...

Ta lindo!

Marga disse...

ay carolina!!!
no había leído nunca nada tuyo, y aunque haya sido en portugués y no tenga ni idea de si está bien escrito, o no, me ha encantado!
tendré que ir a Cadaqués a ver si me pongo también un poquinho filosófica y veo la vida un poco diferente, aunque sea sólo un rato...
mmmmmmuaa

verozacharias disse...

Adorei Cadaquésssss.....saudades de lá....humpf! Texto muito bom tb!! Parabéns Caroleta!

Bombom disse...

salvo na minha listinha de blogzinhos queridos!
bjinhos e saudades da doidinhaaaaa

Pixo disse...

Eeeeeee adorei!!!!!!!

Eu estva lá!!!!!!!!!

:)